Preparo para a realização dos exames:

A) Eletroneuromiografia e potencial evocado somato-sensitivo:

Ao marcar informar a atendente se faz uso de marcapasso cardíaco.
Ao marcar informar se o paciente for menor que 5 anos de idade.
No dia do exame evitar uso de cremes, loções ou óleos em toda a superfície do corpo.
Evitar uso de cremes ou géis no cabelo.
(Sempre que for possível trazer exames anteriores que tenham relação com a queixa atual, como exames de imagem, eletroneuromiografia, sangue, liquor, biópsia, etc.).
Não necessita de sedação ou jejum.

ELETRONEUROMIOGRAFIA E POTENCIAL EVOCADO SOMATOSENSITIVO:

Exame utilizado para detectar neuropatias periféricas e doenças neuromusculares.

Consta de duas etapas: A primeira com choques (estudo da neurocondução) e a segunda com uso de eletrodo de agulha (para estudo muscular). Nós usamos agulhas descartáveis.

Principais indicações do exame:

  1. Síndrome do Túnel do carpo e demais neuropatias compressivas.
  2. Radiculopatias Lombares e Cervicais (como as causadas por hérnia de disco).
  3. Plexopatias.
  4. Polineuropatias Hereditárias e Adquiridas (como no diabetes).
  5. Acometimento do Neurônio Motor ou Axôniopatia em geral.
  6. Miopatias
  7. Doenças afetando a placa motora (como Miastenia Gravis).
  8. Meralgia Parestésica.
  9. Mononeuropatias (como na doença de Hansen).
  10. Paralisia facial periférica.

Contra-indicações:

Não existem contra-indicações absolutas para a realização deste exame, porém cuidados devem ser tomados quando o paciente for portador de marcapasso cardíaco em relação aos choques. Quanto ao exame com agulha cuidados devem ser tomados se o paciente tiver doenças de coagulação (aumenta o sangramento), edema nos membros (linfedema), cirurgia prévia de mastectomia, infecções na pele e nas fístulas de pacientes em hemodiálise. Membros gessados ou com curativos podem dificultar a realização do exame, pois pode cobrir áreas do corpo necessárias para a captação ou estimulação.

Riscos do exame:

Exame de baixo risco. Após o exame com o eletrodo de agulha pode aparecer dor ou desconforto local que pode permanecer por até 48h, assim como inchaços locais. Complicações mais graves como síndrome compartimental e pneumotórax são muito raros.

MAPA (monitorização da pressão arterial nas 24h):

Exame excelente na avaliação terapêutica da hipertensão arterial (pressão alta) e no auxilio da detecção das variações da pressão arterial fora do ambiente hospitalar.

ELETROCARDIOGRAMA DE REPOUSO:

Essencial no Risco Cirúrgico, na avaliação das principais doenças e de suas complicações cardiovasculares, como arritmias, isquemias, miocardiopatias e hipertensão arterial.

Perguntas e Respostas sobre a radiculopatia.

1) O que é a Radiculopatia?

Podemos chamar de radiculopatia um acometimento afetando a raiz motora, sensitiva ou as duas que emergem da coluna vertebral. Temos a radiculopatia cervical, quando atingem as raízes cervicais (pescoço), a lombo-sacra (quando atinge a lombar) e a torácica, esta última bastante rara.

2) Como posso saber se tenho radiculopatia?

O diagnóstico principal é clínico, realizado pelo médico baseado nos sinais e sintomas. Alguns exames como a eletroneuromiografia, Tomografia computadorizada e a Ressonância Nuclear Magnética podem ser usados para auxiliar no diagnóstico e para quantificar o grau de gravidade de acometimento da raiz. Servem também para comprovar se não existe outra doença ou patologia associada á radiculopatia.

3) Quais as principais utilidades da Eletroneuromiografia (ENMG) no diagnóstico da radiculopatia?

Serve principalmente para:

- Auxiliar no diagnóstico da radiculopatia, pois possui uma boa sensibilidade.

- Auxilia em quantificar a gravidade da radiculopatia a nível neurofisiológico. Nem sempre a gravidade mostrada na ENMG está relacionada à gravidade dos sintomas, pois pacientes com queixas mais leves podem ter um acometimento motor mais grave na ENMG e ao contrário, pacientes com fortes dores podem apresentar uma ENMG normal, pois apenas a porção sensitiva foi afetada.

- Tendo um exame anterior, pode acompanhar o grau de evolução da patologia.

- Tendo um exame anterior, pode monitorar a recuperação após tratamento.

- Fornece dados importantes ao médico assistente, podendo ser solicitada junto com exames de imagem.

- Pode detectar possíveis patologias que podem estar associadas a radiculopatia , como por exemplo as polineuropatias.

4) Posso ter radiculopatia e mesmo assim o exame de Eletroneuromiografia ser normal?

Sim. A sensibilidade do exame para a radiculopatia não é de 100% . As principais limitações são nas radiculopatias por compressões intermitentes (que vão e voltam) e nos casos onde apenas a raiz sensitiva é afetada. No caso de um exame clínico positivo para radiculopatia e uma ENMG normal, o médico assistente deverá confirmar o diagnóstico pela clínica e demais exames complementares, como os de imagem.

Outra causa possível pode ser o tempo decorrido do início da radiculopatia, pois a eletroneuromiografia demorará aproximadamente 20 dias para positivar. Exames solicitados antes deste tempo poderão ser normais.

5) A Eletroneuromiografia diz se meu tratamento será cirúrgico ou não?

Não, apenas o médico assistente pode, após considerar todas as variáveis definir qual o tipo de tratamento a ser seguido, porém pode auxiliar fornecendo dados que o auxiliarão na decisão final.

Perguntas e Respostas sobre a Síndrome do Túnel do Carpo (STC).

desenho
1) O que é a Síndrome do Túnel do Carpo?

A Síndrome do Túnel do Carpo ou Síndrome do Canal Carpiano é a neuropatia compressiva mais comum e mais bem estudada e documentada pela literatura médica. Nesta patologia o nervo mediano sofre uma compressão ao nível do punho, causando vários sintomas, sendo a mais comum a parestesia (dormência) na mão e dedos, podendo piorar a noite. Pode causar também sensação de "mão inchada" além da dor propriamente dita.

2) Como posso saber se tenho a Síndrome do Túnel do Carpo?

O diagnóstico principal é clínico, realizado pelo médico baseado nos sinais e sintomas. Alguns exames como a eletroneuromiografia, Ultra-sonografia e a Ressonância Nuclear Magnética podem ser usados para auxiliar no diagnóstico e para quantificar o grau de gravidade do acometimento do nervo mediano. Servem também para verificar se não existe outra doença ou patologia associada à Síndrome do Túnel do Carpo.

3) Quais as principais utilidades da Eletroneuromiografia (ENMG) no diagnóstico da Síndrome do Túnel do Carpo?

A Eletroneuromiografia é um exame neurofisiológico que verifica a funcionabilidade do nervo em estudo, isto é, verifica o quanto à condução nervosa foi afetada. Logo ele serve principalmente para:

- Auxiliar o diagnóstico da Síndrome do Túnel do Carpo, pois possui uma sensibilidade bem significativa.

- Auxilia em quantificar a gravidade da Síndrome do Túnel do Carpo ao nível neurofisiológico. Nem sempre está relacionada à gravidade dos sintomas, pois pacientes com muitas queixas podem ser classificados com leves na ENMG e o contrário também pode ocorrer.

- Tendo um exame anterior, pode acompanhar o grau de evolução da patologia.

- Fornece dados e informações que podem ser bastante úteis ao médico assistente.

- Pode detectar possíveis outras patologias que podem estar associadas ao Túnel do Carpo e auxiliar no diagnóstico diferencial, como por exemplo, radiculopatias e polineuropatias.

4) Posso ter a Síndrome do Túnel do Carpo e mesmo assim o exame de Eletroneuromiografia ser normal?

Sim. A sensibilidade do exame para a STC não é de 100% e em casos muito leves (iniciais) ou quando a compressão do nervo mediano é intermitente (vai e volta) a ENMG pode não detectar anormalidades. Neste caso vale o dito clássico na medicina " A clínica (o diagnóstico clínico) é sempre soberana".

5) Posso tem um exame de eletroneuromiografia positivo para a Síndrome do Túnel do Carpo e mesmo assim não ter a patologia?

Sim. Nos casos de suspeita de Síndrome do Túnel do Carpo onde os testes básicos da ENMG para STC são normais, muitos laboratórios realizam os chamados testes de sensibilidade para STC, que são úteis, pois aumentam a chance de se detectar uma alteração neurofisiológica muito leve do nervo, porém aumentam também a chance de ocorrer um falso positivo, logo sempre que apenas os testes de sensibilidade para STC alterarem, o médico assistente deverá fazer a correlação com a clínica (sinais e sintomas) do paciente, para decidir se considera ou não o resultado da ENMG.

Isto só irá ocorrer nos casos leves, pois nos casos de maior gravidade não há necessidade de se realizar os testes de sensibilidade para STC.

6) Caso tenha hipótese diagnóstica de tendinite, bursite, tenossinovite, dores musculares e contrações musculares simples ou artrose (osteoartrite) a Eletroneuromiografia irá detectar estas patologias?

Não. Nestes casos outros exames deverão ser solicitados.

DIABETES, NEUROPATIA PERIFÉRICA E ELETRONEUROMIOGRAFIA

1) O que é o diabetes?

Diabetes é uma patologia de origem metabólica, onde a anormalidade leva a um aumento anormal da taxa de glicose no sangue.

2) O que é a Neuropatia Diabética?

As anormalidades provocadas pelo diabetes podem afetar vários órgãos, como o sistema vascular, renal e também o sistema nervoso periférico. Quando este último é afetado dizemos que se instalou uma neuropatia.

3) Quais os tipos de Neuropatia Diabética?

Podemos citar como principais tipos a polineuropatia distal simétrica (mais comum), neuropatia autonômica, caquexia diabética neuropática, neuropatias sensitivas, neuropatias assimétricas, neuropatias focais, mononeuropatia múltipla, polineurorradiculopatia.

4) Quais os principais sintomas da Neuropatia Diabética?

Os primeiros sintomas costumam ser uma redução da sensibilidade tátil nos dedos dos pés. Com a progressão temos a sensação de parestesia em bota ou meia (sensação como se estivesse vestindo uma meia, mesmo sem estar), queimações nos pés, perda da sensibilidade vibratória e dolorosa. Temos também a neuropatia autonômica e a polineuropatia, com sintomas nos membros

superiores e inferiores. Ulceras de pressão podem ocorrer nos pés devido à falta de sensibilidade.

5) O Exame de Eletroneuromiografia pode ajudar no diagnóstico da neuropatia?

Sim. O exame de Eletroneuromiografia pode ajudar no diagnóstico de vários tipos de neuropatias periféricas, classificando se é do tipo sensitiva e/ou motora, se é do tipo axonal, mielínica ou mista, quais as áreas do corpo afetadas e de que forma (polineuropatia, mononeuropatia múltipla, etc.).

6) O Exame de Eletroneuromiografia pode ser usado para acompanhamento?

Se tivermos um exame anterior, passa a ser possível realizar uma comparação observando se houve piora, melhora ou estabilização do quadro neurofisiológico. De preferência os exames devem ser feitos sempre no mesmo serviço de neurofisiologia, para evitar divergência de critérios ou valores de normatização entre os serviços, que pode vir a dificultar a comparação.

7) Posso ser diabético, ter sintomas e o Exame de eletroneuromiografia ser normal?

Sim. O exame de Eletroneuromiografia convencional não capta a neuropatia de fibras finas. Se os sintomas forem muito distais também pode dificultar o diagnóstico da neuropatia periférica, especialmente em pacientes idosos.

8) A neuropatia diabética tem tratamento?

Sim. Existem várias medicações e medidas preventivas que podem ser empregadas neste caso. O médico assistente deverá ser consultado.

SUGESTÕES AOS MÉDICOS ASSISTENTES DE COMO SOLICITAR O EXAME DE ELETRONEUROMIOGRAFIA E SEUS TESTES ESPECIAIS CONFORME O GRUPO DE PATOLOGIAS, SEGUNDO RESUMO DO PROJETO DIRETRIZES DA AMB-CFM. 

 

Sociedade Brasileira

de Medicina Física e Reabilitação

Sociedade Brasileira de Neurofisiologia Clínica

Elaboração Final: 10 de Maio de 2008

Autores: Carneiro Fº A, Carneiro AP, Vaz CJN, Cruz MW, Coelho R, Scola RH

 

O Projeto Diretrizes, iniciativa conjunta da Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina, tem por objetivo conciliar informações da área médica a fim de padronizar condutas que auxiliem o raciocínio e a tomada de decisão do médico. As informações contidas neste projeto devem ser submetidas à avaliação e à crítica do médico, responsável pela conduta.

 

  1. HIPÓTESES DE PATOLOGIAS QUE PODEM ACOMETER O PACIENTE DE FORMA MAIS GENERALIZADA, CAUSANDO POLINEUROPATIAS:

 

SOLICITAR EXAME DE MEMBROS INFERIORES E SUPERIORES.

 

  1. MONONEURITES E PLEXOPATIAS:

 

SOLICITAR EXAME DE DOIS MEMBROS SEMPRE QUE POSSÍVEL: EXAME DE MEMBROS SUPERIORES OU EXAME DE MEMBROS INFERIORES.

 

Importante para podermos usar o padrão de normalidade pelo critério comparativo lado-lado (anormal quando diferenças de amplitude for superior à 50 % em relação ao lado contra-lateral) e não apenas o absoluto baseado em valores normais de tabelas.

 

Importante também para podermos definir a gravidade da lesão pelo critério de perda de amplitude do potencial sensitivo e motor em relação ao lado contra-lateral. Mostra a gravidade de perda axonal.

 

  1. RADICULOPATIA:

 

SOLICITAR EXAME DE DOIS MEMBROS SEMPRE QUE POSSÍVEL: EXAME DE MEMBROS SUPERIORES OU EXAME DE MEMBROS INFERIORES.

PODE SER SOLICITADO TAMBÉM EXAME DA COLUNA CERVICAL OU LOMBAR.

 

Importante para podermos usar o padrão de normalidade pelo critério comparativo lado-lado (anormal quando diferenças de amplitude for superior à 50 % em relação ao lado contra-lateral) e não apenas o absoluto baseado em valores normais de tabelas.

 

Importante também para podermos definir a gravidade da lesão pelo critério de perda de amplitude do potencial sensitivo e motor em relação ao lado contra-lateral. Mostra a gravidade de perda axonal.

 

  1. EXAME DA FACE

 

SOLICITAR EXAME DA HEMIFACE DIREITA E ESQUERDA.

 

Importante para podermos usar o padrão de normalidade pelo critério comparativo lado-lado (anormal quando diferenças de amplitude for superior à 50 % em relação ao lado contra-lateral) e não apenas o absoluto baseado em valores normais de tabelas.

 

Importante também para podermos definir a gravidade da lesão pelo critério de perda de amplitude do potencial sensitivo e motor em relação ao lado contra-lateral. Mostra a gravidade de perda axonal.

 

  1. HIPÓTESE DE MIOPATIA:

 

SOLICITAR EXAME DE MEMBROS SUPERIORES E INFERIORES.

 

PODE SER NECESSÁRIO SOLICITAR EXAME DA FACE.

PODE SER INCLUIDO NO PEDIDO DO EXAME DE QUATRO MEMBROS, AINDA, O PEDIDO DE SE REALIZAR O ¨TESTE ESPECIAL ANÁLISE QUANTITATIVA ¨.

 

O teste de ANÁLISE QUANTITATIVA, é um complemento do exame eletroneuromiográfico padrão, realizado com software especialmente desenvolvido para este fim, ou manualmente (em máquinas que não possuem este recurso), que fornece mais um dado a ser analisado com os demais obtidos pelo exame de rotina. Procura tornar o exame com agulha (miografia) menos subjetivo.

 

  1. HIPÓTESES DE DOENÇAS DA JUNÇÃO NEUROMUSCULAR:

 

SOLICITAR EXAME DOS MEMBROS SUPERIORES + INFERIORES E FACE

SOLICITAR O TESTE ESPECIAL DE  ¨ESTIMULAÇÃO REPETIVIVA ¨.

 

O teste de estimulação repetitiva é feito com software especialmente desenvolvido para este fim.

 

  1. HIPÓTESE DE MONONEUROPATIA MÚLTIPLA:

 

SOLICITAR EXAME DOS MEMBROS SUPERIORES E INFERIORES.

 

  1. HIPÓTESE DE PATOLOGIAS QUE INDIQUEM EXAME DA PELVE:

 

SOLICITAR EXAME DE MEMBROS INFERIORES E EXAME DA PELVE.